• Wix Facebook page
  • Wix Twitter page
  • Wix Google+ page

© 2013 by CALLI, ISABELLA & 2ndogs.com

                    All rights reserved

"Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coracao humano o que Deus tem preparado para aqueles que os amam"   1 Corintios 2.9

Inseminação Artificial em Cães

Durante muito tempo, os criadores, entusiastas e profissionais, foram incapazes de resolver os problemas da esterilidade pois, por razões não só inerentes à fisiologia da espécie como também às prioridades dos zootécnicos, a cinologia sofreu um certo atraso neste campo. No entanto, atualmente, o referido atraso foi atenuado graças à prática do esfregaço das células vaginais para determinar o momento da ovulação e inseminação artificial.

No que diz respeito a esta última, distingue-se entre a "assistência ao acasalamento", com coleta e utilização direta do esperma do reprodutor para inseminar a cadela, e a inseminação praticada com sêmen congelado. A assistência ao acasalamento, que é o método mais utilizado, é fácil de praticar e tem numerosas indicações.

AS INDICAÇÕES DA ASSISTÊNCIA AO ACASALAMENTO...

São duas: a pseudofrigidez e a recusa ao acasalamento. A pseudofrigidez observa-se quando a cadela tem ciclos sexuais normais mas que passam praticamente despercebidos (ciclos "mudos") e são apenas visíveis as lactações de pseudociese (gravidez psicológica).

A recusa ao acasalamento pode estar ligada à ausência do libido ou a um "falso cio". Em certos casos é conseqüência de um coito difícil, o que pode ocorrer em diversas circunstâncias: quando o macho é muito jovem, quando a fêmea é dominante (agressiva até) ou, ao contrário, submissa (deita-se no chão ou foge), em caso de má-formação ou de tumor do aparelho genital de ptose (afrouxamento dos Ligamentos e dos músculos) da vagina ou da vulva, e, quando a cadela sofre de artrose vertebral ou coxofemural.

...E AS DA UTILIZAÇÃO DE SÊMEN CONGELADO

A totalidade das indicações mencionadas acima são também válidas para este caso. Acrescentam-se, também, as limitações devidas ao afastamento dos interessados (ou à presença de um deles num país onde vigoram medidas de quarentena) e as particularidades da utilização com vistas à seleção (e à conservação do esperma de reprodutores excepcionais).

A COLETA DE ESPERMA

A eletroejaculação foi abandonada completamente. Além de ser mal suportada pelos animais, o esperma recolhido por este método costuma ser de má qualidade.

Atualmente, em outros países utiliza-se um dispositivo simples: um tubo de borracha (que se aquece para evitar um contato muito frio) e um tubo que permite recolher o esperma do doador em boas condições. No Brasil a coleta do esperma é efetuada pela técnica da masturbação, a operação é amplamente facilitada pela presença de uma fêmea no cio.

CONSERVAÇÃO DO SÊMEN

Depois da coleta, o sémen poderá ser utilizado diretamente (assistência ao acasalamento). Ou manter-se refrigerado num liquido de conservação que pode ser à base de lactose e gema de ovo, em cujo caso o sêmen poderá ser utilizado uma a duas semanas depois. Em nitrogênio líquido, a -1960C, depois de um complexo tratamento, a conservação do esperma em forma de pipetas é quase ilimitada.

COLOCAÇÃO DO SÊMEN

O sêmen deve ser depositado na porção anterior da vagina, o mais perto possível do colo.

Para isso, pode-se utilizar uma simples seringa alongada com um tubo de vidro. Este dispositivo não impede o refluxo do sêmen e, para compensar este inconveniente, deve-se manter a fêmea levantada pelos quartos posteriores durante quinze minutos.

Em todo o caso, quando a sonda está colocada, as contrações vaginais fisiológicas facilitam a entrada do sêmen no útero. A utilização de uma sonda, especialmente concebida para a inseminação na espécie canina, provocou uma melhoria sensível desta técnica. Esta sonda tem a particularidade de dispor, na sua extremidade anterior, de um balão inflável que desempenha o papel dos bolbos eréteis do macho, com o qual se evita o refluxo do esperma e se facilita o seu avanço por estimulação das contrações vaginais. A sonda utilizada (dispositivo estéril) apresenta um corpo flexível, que elimina qualquer risco de traumatismo, e um tubo telescópico, terminado numa peça giratória, para depositar o esperma contra o colo do útero sem provocar nenhuma lesão.

Atualmente, os especialistas recomendam que se utilize uma sonda mais fina, que permite atravessar o colo e praticar a inseminação intra-uterina. Em geral, os resultados são melhores.

A inseminação deverá ser feita duas vezes, em intervalos de quarenta e oito horas, sempre que isso for possível, independente do método utilizado (assistência ao acasalamento ou utilização de esperma congelado).

Com o sêmen congelado utilizam-se cinco pepitas de 1 milímetro cada uma por vez (cada ejaculação permite armazenar trinta doses, ou seja, o valor de três inseminações).

Lembramos que o sucesso da operação está ligado, em grande parte, à escolha da data da intervenção, a qual deverá ocorrer o mais próximo possível da ovulação. Para isso é indispensável a aplicação da técnica do esfregaço das células vaginais.

O EXAME DO ESPERMA

Antes de se proceder à inseminação, deve-se examinar o esperma para controlar sua qualidade. Assim, pode-se verificar no microscópio várias características inclusive de espermatozóides anormais, que não devem representar mais de 15% do total. De qualquer forma, o semên deve apresentar um mínimo de 75% de espermatozóides móveis. 

FONTE: Coleção Nosso Amigos, os Cães


 

Golden Calli

Especializado em Golden Retriever